Prezado leitor,
É permitida a utilização do conteúdo desse site, desde que citada a fonte.
Para isso, leia as regras aqui e preencha o cadastro em anexo.

Configuração mínima necessária:
Internet Explorer 7 ou Firefox 3
Resolução: 1024x768

Conheça a nossa página no Facebook Conheça a nossa página no Twitter

 

Entenda a previdência complementar aberta

Fatos e dados

2016201520142013 2012

Alta em jan./set. de 2016

Os fundos de previdência complementar aberta receberam de janeiro a setembro de 2016, R$ 80,1 bilhões em aplicações, com alta de 15,1% em relação aos R$ 69,6 bilhões registrados de janeiro a setembro de 2015. As provisões desses fundos atingiram R$ 714,3 bilhões em set. de 2016, 20,9% a mais do que no mesmo período do ano anterior, quando o valor acumulado era de R$ 590,6 bilhões, de acordo com dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados).

A modalidade mais destacada foi a do VGBL, que teve alta de 17,8% com contribuições de R$ 71,7 bilhões em jan./set. de 2016. Em período idêntico no ano anterior foram arrecadados R$ 60,8 bilhões. A seguir, o PGBL aparece com recuo de 3,1% das arrecadações, que somaram R$ 5,68 bilhões, contra R$ 5,86 bilhões no mesmo comparativo em 2015.

Os planos tradicionais de previdência complementar aberta tiveram queda de 3,9% nas arrecadações, que totalizaram R$ 2,39 bilhões, frente a R$ 2,49 bilhões. Os demais planos (Fapi, PRGP, VRGP, entre outros) registraram queda de 9,8% nas arrecadações, que chegaram a R$ 336 milhões, contra R$ 373 milhões. Os resultados da previdência complementar aberta, em jan./set. de 2016, mostram a seguinte participação de cada “família” de planos no patrimônio total acumulado:

 

 

 

Topo